Você sabe a diferença entre Alopecia e Alopecia Cicatricial?

As Alopecias são definidas como doenças que ocasionam áreas com menor densidade ou totalmente sem cabelo. Algumas afetam só o couro cabeludo, outras podem afetar qualquer pêlo do corpo.

Podemos dividir as Alopecias em:

  • Não cicatriciais: O cabelo cai, mas pode voltar a crescer uma vez que o folículo não é destruído. A melhora pode ocorrer de forma espontânea ou por tratamentos medicamentosos. Como exemplos de Alopecias não cicatriciais podemos citar a Alopecia Areata e Alopecia Androgenética (calvície).
  • Cicatriciais: O cabelo cai de forma definitiva e os folículos pilosos são destruídos, gerando um processo irreversível. O cabelo não volta a nascer naquela região. São consideradas emergência capilar, já que tendem a progredir e afetar cada vez mais folículos pilosos caso não sejam tratadas. 

Principais Alopecias Cicatriciais

  • Liquen Plano Pilar: doença inflamatória de causa ainda não definida. Apresenta-se clinicamente como áreas sem cabelo, atróficas (pele avermelhada e lisa), com descamação associada e sintomas como prurido (coceira) e ardência. Pode acometer o couro cabeludo e outras regiões com pilificação como sobrancelhas, virilha e axilas.
  • Alopecia Frontal Fibrosante: é considerada uma variante do Líquen plano pilar. Esse tipo de alopecia acomete mais frequentemente mulheres, sendo que sua relação com menopausa e procedimentos químicos capilares (especialmente substâncias alisantes) está em estudo. A perda dos fios no couro cabeludo acontece na linha frontal de implantação capilar – os pacientes costumam notar que a testa está aumentando. Pode haver acometimento das sobrancelhas também. Alguns pacientes podem apresentar pápulas (“bolinhas”) nas laterais do rosto.
  • Lupus Eritematoso Cutâneo Crônico/Lúpus Discoide: acomete mais frequentemente pele e couro cabeludo, sendo a associação com Lúpus Sistêmico presente em apenas 20% dos casos. Clinicamente nota-se a presença de placas eritematosas (avermelhadas) evoluindo para regiões atróficas e com telangiectasias (“vasinhos”).
  • Alopecia Cicatricial Central Centrífuga: esse quadro é visto com maior frequência em mulheres negras, sendo a região do vértice (“coroa”) a mais acometida. Tem caráter progressivo e pode ter outros sintomas associados, como prurido e sensibilidade local. Suspeita-se que um fator desencadeante seja o uso de tratamentos capilares agressivos, como alisamentos térmicos ou químicos.
  • Foliculite Decalvante: caracteriza-se por descamação, prurido e lesões inflamatórias amareladas (pústulas) no couro cabeludo, evoluindo para áreas cicatriciais sem cabelo. Essas regiões de alopecia costumam ser elevadas, apresentar crostas e politriquia (quando vários fios saem pelo mesmo orifício no couro cabeludo, dando aspecto de “cabelo de boneca”).
  • Foliculite Dissecante: essa é uma doença que cursa com a presença de pústulas, nódulos e abscessos no couro cabeludo, que podem se intercomunicar entre si. Na regressão, essas lesões costumam deixar fibrose e cicatriz na área acometida.
  • Keriun (reação inflamatória por micose do couro cabeludo): as crianças são mais acometidas por essa doença que se apresenta como uma placa recoberta por crostas, com drenagem de secreção, dor e prurido. A depender do grau de inflamação gerado e da demora no tratamento, há possibilidade de formação de área de alopecia.

Diagnóstico e Tratamento

O diagnóstico pode ser sugerido pela tricoscopia (dermatoscopia do couro cabeludo e dos fios de cabelo) e confirmado pela biópsia de couro cabeludo. Geralmente o tratamento das alopecias cicatriciais envolvem medicações tópicas, orais e infiltrações intralesionais. Os objetivos principais são impedir o avanço ou retardar o progresso da perda de cabelo, além de aliviar os sintomas que geram muito incômodo como a coceira e ardor. Na maioria das vezes quando se gera a cicatriz, não nascem mais cabelos na região. Em alguns casos o transplante capilar pode ser realizado, desde que a doença esteja estabilizada por no mínimo 2 anos.

Dessa forma, caso você perceba alguns dos sintomas citados acima, consulte um dermatologista para analisar se você está com Alopecia Cicatricial e indicar o melhor tratamento. Caso nunca tenha passado por uma avaliação especializada, entre em contato conosco para agendarmos sua consulta! Será um prazer ajudar!

O contato pode ser feito através dos telefones (41) 3408.3353 ou (41) 99184.3353

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.